Banner Superior
Geral

Geral (269)

Gasômetro da Usiminas em Ipatinga explode e área é evacuada

A Usiminas confirmou no início da tarde desta sexta-feira, 10, por meio de nota de sua assessoria de comunicação, que registrou uma explosão em um gasômetro da Usina de Ipatinga, na região leste do Estado de Minas Gerais. Segundo o Corpo de Bombeiros, 25 feridos, em princípio sem gravidade, foram encaminhados a hospitais.

De acordo com a empresa, até as 14 horas não havia registro de mortos, mas toda a área de risco da usina foi evacuada. A equipe de brigadistas da empresa está atuando no local e, segundo a assessoria, a canalização de gás já foi bloqueada e não há vazamento.

O comandante do 11.º Batalhão do Corpo de Bombeiros em Ipatinga, major Nunes, afirmou que não houve mortos por causa da explosão e que os feridos foram encaminhados ao hospital da cidade pelos próprios brigadistas da Usiminas. No momento, segundo o major, os bombeiros estão no interior da unidade.

Parte do centro da cidade também foi evacuada, de acordo com informações dos bombeiros. Representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Ipatinga estavam no início da tarde desta sexta na portaria da planta em busca de informações sobre a explosão.

Danos. A Câmara Municipal de Ipatinga emitiu uma nota em que informa que a explosão foi "sentida fortemente por todos que estavam no prédio". A Câmara informou, ainda, que a estrutura sofreu danos: vidros foram quebrados e parte do forro se desprendeu em algumas salas. Os servidores foram liberados na tarde desta sexta.

Rafael Machado, de 29 anos, funcionário de uma sorveteria que fica próxima do gasômetro da Usiminas que explodiu diz que ouviu um barulho forte no momento da explosão. "Escutei o barulho e já liguei os fatos de que poderia ser um acidente. Foi um barulho muito alto, a loja aqui tremeu."

Segundo ele, a sorveteria recebia, na hora da explosão, funcionários da Usiminas que estavam em horário de almoço. "Eles vieram tomar sorvete e ficaram todos assustados", disse. Do estabelecimento, era possível ver a fumaça na região do gasômetro.

Funcionário da Usiminas, Maurício Ribeiro, de 36 anos, conta que estava em horário de almoço, por volta de 11h40, quando ouviu a explosão do gasômetro. "Rapidamente já passou o pessoal (outros funcionários da empresa) pedindo para todo mundo sair pela portaria do Bom Retiro (bairro da cidade). Não deu tempo de pegar nada, nem documento." Segundo ele, não houve correria. As equipes que começariam o trabalho às 15 horas foram dispensadas.

O comerciante Fernando Viana, de 41 anos, estava em um shopping da região no momento do acidente e disse que foi possível ouvir o barulho. “Deu para ouvir a explosão e, em volta, tudo balançou bastante. Não deu para perceber de onde vinha.”

Viana disse que rapidamente começaram os comentários nas redes sociais e que, inicialmente, as pessoas se preocuparam com as consequências da explosão. Já na sorveteria onde trabalha, algumas horas após o acidente, o comerciante disse que o clima estava mais tranquilo.

“Lá é um balão de gás e a gente não sabe que tipo de gás tem lá dentro, se podia vazar. Mas a gente recebeu um áudio do comandante do batalhão falando que não tem risco.”

O secretário Augusto Cézar Maciel, de 19 anos, estava em casa e conta que ainda conseguia sentir o cheiro que saía do local durante a tarde. “Foi um barulho muito forte e deu para ver (onde tinha ocorrido a explosão). O gás não é tóxico, mas está dando para sentir até agora. É quase como enxofre.”

Avião com 103 pessoas cai no México; todos sobrevivem

Um avião da companhia Aeroméxico caiu cinco minutos após decolar da cidade de Durango, na região central do México. Segundo informou o governador do estado, José Ramón Aispuro pelo Twitter, não há mortes.

De acordo com o governo mexicano, a aeronave levava 99 passageiros – entre eles dois menores – e quatro membros da tripulação. As primeiras informações, contudo, davam conta de que eram apenas 97 passageiros.

Até o momento “temos informação de 85 pessoas machucadas”, disse Alejandro Cardoza, porta-voz da Defesa Civil de Durango, à TV Milenio.

“Um incêndio começou após o pouso forçado realizado pelos pilotos, mas ao que parece não há pessoas com queimaduras”, declarou Cardoza, acrescentando que a maioria apresenta ferimentos “muito leves, nada além de contusões, mas alguns têm lesões consideráveis”.

O avião da Aeroméxico AM2431 decolou do Aeroporto Internacional Guadalupe Victoria, em Durango, às 15h09 (17h09, horário de Brasília) para a Cidade do México, onde deveria aterrizar às 16h50 (18h50, horário de Brasília). A aeronave é um Embraer E190, da empresa Aeroméxico Connect.

Com base em relatos de pessoal de segurança do aeroporto, o jornal El Financiero informou que o avião se chocou com um objeto logo depois de decolar, que o levou à queda.

Até o momento se desconhecem as causas do acidente. Antes da saída aeronave, chovia nos arredores do aeroporto.

Equipes de serviços de emergência estão prestando atendimento aos feridos no local do acidente, próximo ao aeroporto. Alguns portais de notícias mexicanos relataram que houve passageiros que conseguiram sair sozinhos da aeronave.

Por meio do Twitter, o presidente do México, Enrique Peña Nieto, determinou que três áreas de seu governo – a Secretaria de Defesa Nacional, a Coordenação Nacional de Proteção Civil e a Secretaria de Comunicações e Transportes – tratem do acidente em Durango.

Rabello oficializa candidatura pelo PSC

O ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Paulo Rabello de Castro oficializou na sexta (20), sua candidatura à Presidência da República pelo PSC. Com menos de 1% das intenções de voto nas últimas pesquisas eleitorais, Rabello de Castro afirmou que seu plano de metas, inspirado em Juscelino Kubitschek, apresentará ao brasileiros os meios e soluções para tirar o País da atual crise política e econômica.

O presidenciável também prometeu realizar uma distribuição de renda para que todos os cidadãos possam usufruir das riquezas do Brasil e criar um lastro da Previdência Social.

"Digo que este capitalismo que é mais que selvagem, é um capitalismo espúrio, um capitalismo de corporações, de juros altos. Isso vai acabar. Porque o capitalismo que não é bom para todos os brasileiros não merece ser o capitalismo do Brasil", disse.

De acordo com Rabello de Castro, sua candidatura também terá como objetivo aumentar a bancada do PSC no Congresso, com a expectativa de eleger cerca de 35 parlamentares. "Se sei lidar com o Congresso, digo que ele é lindo. Teremos 35 representantes do PSC, número mais do que suficiente para dar exemplo nas votações que precisamos", afirmou.

O evento foi aberto pelo presidente do PSC, Pastor Everaldo, que foi candidato à Presidência pelo partido em 2014. "O País precisa sair da crise e a pessoa qualificada para levar as melhores propostas para o Brasil, a partir de hoje, quem vai verbalizar isso para a população brasileira será um dos homens mais qualificados para fazer a virada que o País precisa", afirmou ao apresentar Castro.

Paulo Rabello de Castro foi presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de junho de 2017 a março de 2018, quando deixou o cargo por causa do calendário eleitoral. Antes, presidiu o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), onde atuou entre julho de 2016 e junho de 2017.

No sábado, dia 21, ele vai participou do lançamento das candidaturas do ex-juiz federal Wilson Witzel ao governo do Estado do Rio de Janeiro e de Pastor Everaldo ao Senado. No evento, também será apresentada a lista dos candidatos a deputado estadual e federal da legenda.

fonte: estadão conteúdo

Demora na entrega de fertilizantes pode atrasar plantio da nova safra de soja em MT

A cerca de 60 dias do início da nova safra de soja, produtores rurais em Mato Grosso temem atraso na plantação por causa da demora na entrega de fertilizantes utilizados para preparar o solo, reflexo da demora no tabelamento de preços do frete.

Dono de uma fazenda Sinop, a 503 km de Cuiabá, o produtor Gilberto Baldissera explicou que 40% dos 1,5 mil hectares precisam ser colhidos, mas que, até o momento, recebeu apenas duas cargas de fertilizantes, sendo uma de adubo e outra de fósforo.

"Nós encomendamos cerca de uma tonelada de adubos e ainda não chegaram. O prazo para início no plantio já está chegando", disse.

O produtor rural explicou que também espera a chegada de 900 toneladas de calcário, que é o primeiro insumo aplicado no solo.

"Já era para estarmos incorporando o solo, porque ele precisa estar pronto cerca de 50 dias antes do plantio", afirmou.

Tabela de frete

Conforme os produtores, a demora no tabelamento dos fretes – que tem dificultado o escoamento dos grãos que já foram colhidos – também impactam no plantio, uma vez que, normalmente, os caminhões que levam as cargas até os portos retornam para as fazendas com os fertilizantes.

Segundo o Conselho Estadual das Associações das Revendas de Produtos Agropecuários de Mato Grosso (Cearpa), o travamento na tabela de preços do frete prejudica todo o setor agropecuário.

Os revendedores de fertilizantes, por exemplo, estão preocupados com a falta de material para repassar aos clientes. Em uma empresa de Sorriso, a 420 km de Cuiabá, a quantidade de insumo recebidos é 30% menor, comparado com o mesmo período de 2017.

Segundo o gerente comercial Igor Ferreira, a empresa comercializa cerca de 90 mil toneladas de fertilizantes. "Pela nossa programação, esses fertilizantes já deveriam estar 100% dentro dos nossos estoques", contou.

fonte: G1-MT

Fachin submete recurso de Lula ao pleno do STF

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta segunda-feira, 25, submeter ao plenário da Corte um recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que o pedido de liberdade do petista seja analisado pelo tribunal. Lula está preso em Curitiba desde 7 de abril.

A defesa de Lula pediu a Fachin "imediata reconsideração" da decisão do próprio ministro para que o pedido de liberdade do ex-presidente seja analisado pela Segunda Turma nesta terça-feira, 26. Na sexta-feira, 22, Fachin decidiu arquivar o pedido, após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negar um recurso de Lula ao STF contra os efeitos da condenação.

Caso o ministro não reconsiderasse a decisão anterior, os advogados do ex-presidente pediram que o novo recurso apresentado pela defesa nesta segunda-feira fosse submetido à Segunda Turma do STF. Fachin atendeu apenas essa segunda solicitação, mas decidiu submeter o recurso de Lula à apreciação do plenário do Supremo.

"Diante do exposto, mantenho a decisão agravada e submeto o julgamento do presente agravo regimental à deliberação do plenário, sem prejuízo de propiciar prévia manifestação da Procuradoria-Geral da República, observando-se, para tanto, o prazo regimental", decidiu Fachin.

Agora caberá à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, definir a data do julgamento. Integrantes do STF cogitam a possibilidade de Lula ir para a prisão domiciliar, mas sem alterar os efeitos de sua condenação, como a inelegibilidade.

Fachin havia entendido que o pedido de Lula estava prejudicado porque o TRF-4 negou, também na sexta-feira, a possibilidade de Lula recorrer ao Supremo contra a condenação no caso do triplex no Guarujá (SP), processo pelo qual cumpre pena de 12 anos e um mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com a petição apresentada nesta segunda-feira ao Supremo, o fato de defesa ter recorrido contra a decisão do TRF-4 se configura como fato novo e, por isso, Fachin deve reconsiderar a situação.

"No entanto, a negativa de seguimento pela Corte Regional já foi devidamente impugnada em agravo interposto nesta data. Conforme diversos precedentes desta Suprema Corte, é possível a atribuição de efeito suspensivo a recurso extraordinário nessa situação, pois o exame final da sua admissibilidade caberá também ao Supremo Tribunal, como adiante demonstrado", dizem os advogados.

Recursos. A defesa do ex-presidente havia ajuizado os recursos especial e extraordinário no TRF-4 em 23 de abril. Cabe ao tribunal uma análise prévia dos pedidos, para decidir se eles "subiriam" ou não para julgamento nos tribunais superiores. Diferente do recurso ao STF, o pedido ao STJ foi admitido.

Enquanto ainda esperava a decisão do TRF-4, a defesa do ex-presidente entrou com petições nos tribunais superiores, para que eles suspendessem os efeitos da condenação de Lula até que os recursos pudessem efetivamente ser julgados pelas cortes.

Vazio Sanitário vai até 15 de Setembro

Teve início em Mato Grosso o vazio sanitário da soja, período de 90 dias em que plantas vivas não podem ficar nas áreas de cultivo. A medida visa evitar a ferrugem asiática, que já causou grandes prejuízos no passado, e deve durar até o dia 15 de setembro.

Em Santa Carmem, a 493 km de Cuiabá, o produtor Ilson Redivo amargou prejuízos na safra de 2004/2005 com a ferrugem asiática, uma vez que não era habitual o uso de fungicidas para o controle na fazenda dele, que tem área total de 1.570 hectares.

No entanto, ele contou que o problema não se repetiu na fazenda após a intensificação dos cuidados. Além disso, o período de vazio sanitário, instituído em 2006, reforçou a necessidade de eliminar qualquer planta viva de soja na entressafra, o que diminui a presença do fungo causador da doença.

O vazio sanitário vai até o dia 15 de setembro. em caso de descumprimento, os produtores podem ser penalizados pelo Instituto de Defesa Agropecuária (Indea), segundo o engenheiro agrônomo da instituição, Luiz Fernando Fritsch.

"É feita uma multa pela situação de encontrar soja guaxa durante o período do vazio sanitário, que é de 30 UPF, acrescido a esse valor mais dois UPFs por hectare de soja guaxa encontrado", disse.

Em Mato Grosso, o valor atual da UPF é de R$ 132,08.

Durante a fiscalização do Indea, 60% das propriedades são visitadas. Em caso de descumprimento da determinação, além de ser multado, o produtor continua obrigado a eliminar as plantas.

"É feita a notificação pro produtor fazer essa destruição.O prazo vai ser relativo ao tamanho da área que ele vai ter que destruir. Os técnicos é quem fazem um estudo e a melhor interpretação da situação para poder dar esse prazo", explicou o engenheiro do Indea.

De acordo com o Indea, mesmo sem lavoura, o proprietário tem que aplicar fungicidas. Apesar de haver o plantio do milho safrinha e o controle de folhas largas, a orientação é não descuidar.

Festival de Inverno de Chapada terá 9 dias de festa e 5 shows nacionais

Começou a contagem regressiva para o 33º Festival de Inverno de Chapada, evento que é realizado pelo Grupo Gazeta de Comunicação e a Prefeitura de Chapada dos Guimarães com apoio do governo do Estado e diversos parceiros. O lançamento oficial da festa que movimenta a pacata e turística Cidade de 18 mil habitantes a cada ano foi na noite desta quinta-feira (14), na sede da Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Meio Ambiente de Chapada.

Serão 9 dias de festival, com 5 shows nacionais e várias atrações regionais. A abertura será no dia 29 de junho com encerramento em 7 de julho. A dupla sertaneja João Bosco e Vinicius abre a programação no dia 29, uma sexta-feira, e no dia seguinte, será a vez da Orquestra Paulistana de Viola Caipira composta por 60 integrantes e a sertaneja Paula Fernandes se apresentarem no palco do festival, na Praça Dom Winibaldo.

Depois, no outro final de semana, a banda de rock, Barão Vermelho, sobe ao palco no sábado dia 6 de julho para contemplar o público do festival com seu mais recente trabalho. Serão tocadas as músicas do álbum “Barão pra sempre”, que foi lançado em abril deste ano nas plataformas digitais para atender pedidos de fãs que queriam ouvir gravações das canções tocadas pela nova formação, com Rodrigo Suricato nos vocais.

Por fim, o encerramento no domingo, 7 de julho, fica por conta da banda Jota Quest com o melhor pop rock. O grupo está em turnê pelo país com o show “Jota Quest Acústico - Músicas Para Cantar Junto” e o público do festival poderá curtir tudo gratuitamente.

A exemplo das edições anteriores, a expectativa dos organizadores para este ano é receber milhares de turistas e moradores para prestigiar grandes shows nacionais e regionais, além de uma diversificada programação que inclui feiras de artesanato, gastronomia, apresentações culturais e atrações especiais para o público infanto-juvenil com oficinas, teatro e outras atividades.

No lançamento do evento, cujo slogan “A Chapada te espera no melhor dos festivais”, participaram a prefeita de Chapada, Thelma de Oliveira (PSDB), o presidente do Grupo Gazeta, João Dorileo Leal, o secretário de Turismo, Cultura e Meio Ambiente de Chapada, Jorge Defanti, o deputado estadual Wilson Santos representando a Assembleia Legislativa e o governo do Estado, além de parceiros comerciais.

João Dorileo lembrou que o Grupo Gazeta já promoveu mais de 20 dos 35 festivais realizados em Chapada e que a parceria entre a empresa, prefeitura de Chapada, governo do Estado e comerciantes é de extrema importância para se realizar o festival com shows gratuitos e de qualidade.

“Todos os anos venho aqui e minha única palavra que tenho é de agradecimento, de gratidão realmente por Chapada por sempre confiar no trabalho do Grupo Gazeta, de estar à frente de um evento grandioso como esse. Já trouxemos aqui mais de 150 artistas de nome nacional e internacional para cantar gratuitamente em Chapada. Conosco nunca se cobrou um centavo de ingresso”, pontuou.

“Colocamos nosso nome num evento extremamente de credibilidade, sério e muito esperado anualmente por todo o Brasil. Espero que a sociedade chapadense possa se unir para preparar a Cidade juntamente com a prefeita para receber os turistas, os cuiabanos, mato-grossenses e brasileiros que certamente virão para o festival a partir do próximo dia 29”, observou.

A proposta de trazer ao festival pelo menos um cantor sertanejo se repete nesta edição. “Essa é a característica do nosso povo. Mato Grosso é o estado do agronegócio, a gente tem que prestigiar o setor rural do nosso estado, especialmente a zona rural de Chapada dos Guimarães. Vamos abrir o festival com João Bosco e Vinicius, uma dupla de muito sucesso em todos os programas de audiência da televisão brasileira, a gente vai ter um belíssimo show”, disse Dorileo Leal.

Thelma Oliveira lembrou que será o 2º festival à frente da prefeitura de Chapada e comemorou a parceria com o Grupo Gazeta e o governo do Estado. “Eu mais uma vez fico muito feliz porque existe toda uma expectativa em torno desse festival, todo mundo fica esperando que ele aconteça da melhor maneira possível e estamos empenhados nisso. Pelas temperaturas, isso demonstra que vamos ter, de fato, um festival de inverno, com esse frio e ambiente aconchegante. É isso que a população deseja, ter um festival de inverno com esse clima gostoso. A cidade, os comerciantes, os empresários estão trabalhando nesse sentido. A gente fica super feliz”.

Por sua vez, o secretário de Turismo, Jorge Defanti, falou sobre a expectativa de que seja mais um festival de sucesso. “Estamos com uma programação excelente. Ano passado foi boa, mas a repercussão deste foi ainda melhor. A cidade está muito bem preparada para receber um público grande que nós esperamos nesta edição”.

Wilson Santos reforçou sobre a tradição e a importância do Festival de Inverno de Chapada no calendário cultural da Cidade para os moradores e visitantes. “Esse é o evento mais importante do ano para Chapada dos Guimarães. São Milhares de pessoa que participam e chegam aqui de todas as formas, acampam em vários lugares da cidade e vêm prestigiar os shows nacionais mesclados com shows locais. O festival só vai acontecer em razão de 3 pessoas que não desistiram: Thelma de Oliveira, Pedro Taques e Dorileo Leal”, disse.

fonte> GD(Colaborou Luiz Fernando Vieira, repórter do jornal A Gazeta)

Ministro dá 15 dias para 9 empresas pagarem R$ 67,2 milhões por bloqueio de rodovias

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (4) que mais nove empresas paguem em até 15 dias o montante de R$ 67,2 milhões em multas por bloqueio de rodovias em razão da greve dos caminhoneiros.

Moraes, que já havia autorizado multas de R$ 141,4 milhões a 96 empresas, atendeu pedido complementar da Advocacia-Geral da União (AGU) para autorizar as multas a mais empresas que descumpriram decisões que determinaram a liberação das vias. 

Assim como na decisão anterior, Alexandre de Moraes estabeleceu que, caso não haja pagamento voluntário, as empresas poderão ter penhora de bens. Moraes repetiu argumentação da decisão anterior, quando apontou um quadro de desrespeito ao STF, o que justificou, na análise dele, imposição de multas.

Na nova decisão, o ministro esclarece que na última quarta (30) o governo prestou informações de novas empresas que obstruíram o tráfego nas rodovias.

"Da mesma forma, em relação as novas empresas relacionadas na petição, os atos de descumprimento da tutela cautelar vem retratados nos autos de infrações e documentação juntados pela AGU, individualizando e comprovando as condutas", decidiu.

As multas variam entre R$ 4,5 milhões e R$ 9,6 milhões para cada empresa – são transportadoras de Minas Gerais, Piauí, São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Goiás.

Em relação a outro pedido da AGU, para complementar multas já estipuladas para algumas das 96 empresas punidas inicialmente, o ministro considerou que o governo precisa apresentar informações mais detalhadas da necessidade de complementação de multas.

A AGU informou "genericamente", segundo o ministro, que reavaliou horário de descumprimento da decisão ou reiteração nos atos. Mas ele considera que deve ser apresentada uma memória de cálculo "para que não haja duplicidade de autuações".

Há duas semanas, quando a greve dos caminhoneiros completou cinco dias, Moraes, atendendo pedido da AGU, autorizou o uso das forças de segurança pública para o desbloqueio de rodovias ocupadas por grevistas e impôs multa de R$ 100 mil por hora às entidades que atuassem nas interdições de vias, além de multa de R$ 10 mil por dia para motorista que obstruísse a pista.

Veja a lista de empresas e valor das multas

LM Transportes Interestaduais – Belo Horizonte (MG) – Multa: R$ 8.800.000,00

Transporte Nitram Ltda – Matias Barbosa (MG) – Multa : R$ 6.800.000,00

Francisco Dinarte Praxedes de Melo ME – Pio IX (PI) – Multa: R$ 4.500.000,00

Silveira & Ramos Transp. & Log. LT – Juiz de fora (MG) – Multa: R$ 6.300.000,00

Alexander Carlos D Elia Automóveis ME – Guarulhos (SP) – Multa: R$ 6.100.000,00

Marcia Andreia Silveira Pereira ME – Uruguaiana (RS) – Multa: R$ 6.600.000,00

RN2 Serve Loc de Mão de Obra – Natal (RN) – Multa: R$ 9.600.000,00

Cartonagem e Utogr Anapouna Ltda – Anápolis (GO) – Multa: R$ 8.900.000,00

Ouro Verde Locação e Serviço SA – São Paulo (SP) – Multa: R$ 9.600.000,00

Governo discute mudar reajustes da gasolina, mas sem impactar Petrobras

A Petrobras, o governo federal e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) têm discutido uma solução para mudar a periodicidade dos reajustes de preços de gasolina nas refinarias da estatal, mas de forma que não cause impacto sobre o caixa da petroleira. O governo insiste que a política de preços da Petrobras não será alterada e os reajustes se manterão baseados nas variações do câmbio e do barril de petróleo, mas a periodicidade dos repasses, hoje diários, poderá ser mudada.

“A política de preços está preservada, não se mexe. O grupo de trabalho do Ministério de Minas e Energia está estudando uma fórmula de como a previsibilidade pode ser resolvida”, disse o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

De acordo com duas fontes, o tema já estava em debate mesmo antes da renúncia de Pedro Parente à presidência da estatal, na semana passada, e permanece em pauta sob a gestão agora de Ivan Monteiro — que na sexta foi indicado pelo conselho de administração como interino e, na sequência, apontado pelo presidente Michel Temer para ser efetivado no cargo.

Uma decisão sobre o assunto, no entanto, não é vista como iminente no governo, uma vez que o foco das autoridades ainda está voltado para o restabelecimento do abastecimento do Brasil, após uma grande paralisação de caminhoneiros nas últimas semanas contra a alta do diesel. “Essa é uma discussão que está na cabeça das pessoas e vai ser feita oportunamente”, disse uma fonte.

Outra fonte, que acompanha as conversas no Palácio do Planalto, diz que a Presidência delegou ao grupo de trabalho encontrar uma fórmula para que a periodicidade dos reajustes seja alterada e a Petrobras compensada, mas não há ainda um horizonte para essa solução, já que, neste momento, a União não tem recursos para bancar a compensação.

Uma primeira conta feita pelo Planalto aponta para 30 bilhões de reais até o fim do ano o custo de adotar para gasolina a mesma política feita para o diesel depois da greve dos caminhoneiros, somada a algum subsídio para baratear o gás de cozinha, que já tem um reajuste trimestral. Uma conta que, neste ano, o Tesouro não tem como bancar, de acordo com uma alta fonte do governo. A meta de déficit primário para este ano é de 159 bilhões de reais.

Duas fontes ponderaram, no entanto, que não há espaço para uma alteração na política de preços da Petrobras, que permanecerá seguindo as cotações internacionais do petróleo e o câmbio, com foco em rentabilidade.

O que se busca em Brasília, assim, seria apenas uma mudança na periodicidade dos reajustes da gasolina, para suavizar os impactos da volatilidade externa no mercado brasileiro, com alguma solução que não prejudique financeiramente a petroleira estatal.

“Essa discussão sobre o que a gente faz com o ajuste diário já estava posta [antes da saída de Pedro Parente], dentro dos limites de que não se vai vender abaixo do que a Petrobras compra e não se pode abrir para ter uma concorrência predatória”, disse uma das fontes. Assustado com a má repercussão da circulação de ideias sobre uma possível mudança nos repasses de reajustes, o Planalto passou a frisar a diferença entre a política de preços — baseada nas variações cambiais e no preço externo do petróleo — e a maneira de se transferir essas variações ao consumidor.

A ordem é frisar essa diferença e deixar que o grupo de trabalho encontre uma solução.

As ações preferenciais da Petrobras fecharam em alta de quase 8,5% nesta segunda-feira, após tombo de cerca de 15% no pregão de sexta, com analistas repercutindo positivamente a indicação pelo governo de Ivan Monteiro para assumir a presidência executiva da companhia.

Diesel

O governo já promoveu uma mudança na forma de a Petrobras reajustar o diesel, ao definir uma redução das cotações e um congelamento por 60 dias nos preços. Na ocasião, o presidente Michel Temer disse que depois desse período os reajustes serão mensais, em resposta à greve dos caminhoneiros.

A proposta prevê, no entanto, que a Petrobras será ressarcida pelo governo por eventuais perdas decorrentes dessas alterações.

Agora, o governo federal prepara a publicação, até quinta-feira, de um decreto que irá regulamentar a subvenção ao diesel até o fim do ano.

Conta de luz terá bandeira tarifária mais cara em junho

A bandeira tarifária para o mês de junho ficará no patamar 2, da cor vermelha, o mais alto segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Para quem ainda não sabe, as contas de energia terão o acréscimo extra de R$ 5 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. No mês de maio a bandeira em vigor, era a amarela, que cobrava apenas R$1 a cada 100 kWh.

A empresa ainda informou que com o período de chuva, os reservatórios do Sul apresentaram redução de água, o que resultou no alto custo para a geração de energia, ou seja, com menos água, aumenta o uso das usinas termelétricas, que geram energia mais cara.

Em 2018 de janeiro a abril, a bandeira permaneceu no verde, mudando apenas em maio para a cor amarela.

Assinar este feed RSS

29°C

Primavera do Leste

Parcialmente Nublado

Umidade: 70%

Ventos: 0 km/h

  • 24 Mar 2016 27°C 21°C
  • 25 Mar 2016 27°C 21°C
Banner 468 x 60 px