Banner Superior
Geral

Geral (279)

Bolsonaro não pode participar de debates no 2º turno

O candidato do PSL a presidente da República, Jair Bolsonaro, líder das pesquisas de intenção de votos, não vai participar de debates com o petista Fernando Haddad, seu adversário no segundo turno. O anúncio foi feito pelo presidente nacional do PSL, Gustavo Bebiano, durante entrevista coletiva hoje (18).

Segundo Bebiano, o candidato do PSL não tem obrigação de comparecer aos debates promovidos por emissora de televisão. "Não vai se submeter a uma situação de alto estresse sem nenhum motivo, porque quem discute com poste é bêbado”, afirmou. Além disso, o presidente do PSL argumentou que a colostomia pode causar desconforto ao candidato.

O médico Antônio Luiz Macêdo, chefe da equipe que operou Bolsonaro, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, liberou o candidato para os debates. À Agência Brasil, o médico disse que Bolsonaro poderia participar das discussões, desde que durassem, no máximo, 30 minutos, e ele ficasse confortável, de preferência em uma poltrona.

Desde que foi agredido, em setembro, Bolsonaro não participou de debates, mas concedeu entrevistas a emissoras de rádio e televisão. Antes do primeiro turno, quando fazia campanha em Juiz de Fora (MG), o candidato foi esfaqueado. Por conta da agressão, ficou três semanas internado, inicialmente na Santa Casa de Juiz de Fora e depois no Einstein.

Estado cobra R$ 88 milhões de 3 mil empresas e ameaça exclusão do Simples Nacional

A Secretaria de Fazenda (Sefaz) está notificando 3.173 micro e pequenas empresas a regularizarem débitos junto ao fisco estadual. Esta é a última chamada para que os contribuintes não sejam excluídos do Simples Nacional a partir de primeiro de janeiro de 2019, conforme conta na Lei Complementar Federal 123/2006, que instituiu o estatuto dessas categorias de empresas.

O valor total aproximado devido é de R$ 88 milhões, entre débitos na própria pasta e os já enviados à Procuradoria Geral do Estado (PGE) para inscrição em dívida ativa, incluindo os contratos de parcelamento com atraso de recolhimento via Sistema Conta Corrente da Sefaz. As notificações tiveram início desde o dia 8 de outubro e os contribuintes têm até 30 dias após a ciência, seja por acesso ao portal da Sefaz, seja por meio de publicação no Diário Oficial do Estado (DOE), para regularizarem os débitos.

Os contribuintes poderão quitar o débito ou parcelar o valor, sendo que o primeiro pagamento deverá ser efetuado dentro do prazo da ciência da notificação. Não será necessário comunicar à Sefaz a regularização dos débitos e parcelamentos, pois a verificação será realizada de ofício pela Gerência Especial de Fiscalização de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte ((GFMEP/SUFIS).

Quanto aos débitos na PGE, após a regularização os contribuintes deverão apresentar via sistema E-Process da Sefaz o comprovante de quitação da dívida ou extrato de regularidade do contrato de parcelamento, por meio do modelo de “Impugnação ao Termo de Exlusão do Simples Nacional-2018/DÉBITOS”.

Ainda dentro do prazo de 30 dias da data da ciência da notificação, o contribuinte poderá impugnar o Termo de Exclusão do Simples Nacional. Nos casos em que o processo de impugnação for deferido, não será necessária mais nenhuma ação por parte do contribuinte, que não será excluído do Simples Nacional, por débito, em 2019.

Ao registrar a impugnação o contribuinte, se for o caso, deve informar a existência de E-Process de revisão de lançamento de débito omisso (não suspenso para análise). Os processos de contestação não poderão versar sobre o mérito dos débitos omissos.

fonte: Assessoria

PSDB oficializa apoio a Bolsonaro em MT

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) em Mato Grosso divulgou nesta quinta-feira (11) apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). O anúncio ocorreu após reunião da diração estadual, seguindo orientação nacional de que cada Estado decidiria como a sigla se comportaria neste 2º turno.

"Segundo orientação do diretório nacional, foi deliberado aos diretórios regionais para decidirem o rumo que iria tomar quanto a eleição no 2º turno. Nós fizemos uma convocação muito rápida, que foi de um dia para o outro. As pessoas de fora não puderam vir, mas já se manifestaram. E aqui, Mato Grosso não pode num momento crucial como esse se omitir. Nós decidimos aqui que iremos apoiar o candidato Jair Bolsonaro no 2ª turno", afirmou Paulo Borges, presidente do PSDB-MT.

O anúncio vai de encontro ao que o deputado federal e líder do PSDB na Câmara Federal, Nilson Leitão (PSDB), e o governador Pedro Taques (PSDB), defendem. Ambos já haviam anunciado um eventual apoio ao candidato do PSL no 2º turno. O PSDB que amargou duras derrotas no Estado, não reelegendo Taques e nem Leitão ao Senado, ainda terminou com menos de 68 mil votos para o candidato à presidência Geraldo Alckmin (PSDB) .

"O PSDB, desde a sua fundação, sempre presou pela democracia. Durante todos esses anos, nós ficamos como principal opositor do PT em nível nacional. Ou seja, 13 anos de desmando, 13 anos de oposição, o PSDB foi um dos partidos que capitaneou o Impeachment da presidente Dilma. Nós entendemos que o candidato Bolsonaro tem uma grande Ascenção no estado de Mato Grosso, é uma pessoa que pode fazer a diferença, nós acreditamos nisso", salientou Borges.

Para Paulo Borges, o PSDB deverá passar por uma nova reestruturação, como ocorreu a partir de 2003, quando a sigla perdeu a disputa ao governo e viu a sua maior liderança, o ex-governador Dante de Oliveira (PSDB) ser derrotado ao Senado.

Conheça os novos deputados estaduais de MT

A eleição do último domingo (7) trouxe novos personagens para o cenário político de Mato Grosso. Na Assembleia Legislativa, a renovação foi de 58%. Nada menos que 14 dos 24 deputados eleitos nunca antes ocuparam uma cadeira no Parlamento estadual.

Porém, dentre eles, apenas cinco podem ser considerados estreantes na política: Delegado Claudinei (PSL), Dr. Gimenez (PV), Dr. João (MDB), João Batista do Sindspen (Pros) e Ulysses Moraes (DC).

Há ainda aqueles que, de alguma forma, já eram conhecidos da população, por já terem ocupado cargo eletivo.

São eles: os ex-vereadores por Cuiabá - Lúdio Cabral (PT), Faissal (PV), Paulo Araújo (PP) e Elizeu Nascimento (DC); o vereador por Rondonópolis, Thiago Silva (MDB); o vice-prefeito de Lucas do Rio Verde, Sílvio Favero (PSL); o ex-vereador de Água Boa, Dr. Eugênio (PSB); o ex-prefeito de Nova Lacerda, Valmir Moretto (PRB) e o ex-suplente de deputado federal Xuxu Dal Molim (PSC).

Veja abaixo quem são os novos deputados da AL, que iniciam seus mandatos em 2019:

Na primeira fileira, da esquerda para a direita: Delegado Claudinei (PSL), Dr. Eugênio (PSB), Dr. Gimenez (PV), Dr. João (MDB), Elizeu Nascimento (DC), Faissal (PV) e João Batista do Sindspen (Pros); Na segunda fileira, da esquerda para a direita: Lúdio Cabral (PT), Paulo Araújo (PP), Sílvio Favero (PSL), Thiago Silva (MDB), Ulysses Moraes (DC), Valmir Moretto (PRB) e Xuxu Dal Molim (PSC)

fonte:midianews

Datafolha - Bolsonaro chega a 32%. Haddad para em 21%

Jair Bolsonaro (PSL) tem 32% das intenções de voto, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira (02).

Ele subiu quatro pontos percentuais em relação ao levantamento divulgado na última sexta-feira (28). A margem de erro é de dois pontos para cima ou para baixo.

Fernando Haddad (PT) caiu de 22% para 21% no mesmo período. Foram ouvidos 3.240 eleitores em 225 municípios nesta terça.

Os resultados confirmam o movimento de crescimento de Bolsonaro e estagnação de Haddad verificado na pesquisa Ibope divulgada ontem.

Ciro Gomes (PDT) manteve os 11% de intenção de voto e está tecnicamente empatado com Geraldo Alckmin, que foi de 10% para 9%. Marina Silva (Rede) caiu de 5% para 4%.

João Amoedo (Novo) segue com 3% enquanto Henrique Meirelles (MDB) e Álvaro Dias (Podemos) mantiveram o patamar de 2% das intenções de voto cada um.

Segundo turno

A simulação de um eventual segundo turno mostra os líderes empatados dentro da margem de erro, mas com movimento inverso: Bolsonaro foi de 39% para 44% enquanto Haddad foi de 45% para 42%.

Veja as simulações:

Bolsonaro 44% X 42% Haddad (brancos e nulos: 12%)

Ciro 46% X 42% Bolsonaro (brancos e nulos: 10%)

Ciro 42% X 37% Alckmin (brancos e nulos: 19%)

Ciro 46% X 32% Haddad (brancos e nulos: 20%)

Alckmin 43% x 41% Bolsonaro (brancos e nulos: 14%)

Alckmin 43% x 36% Haddad (brancos e nulos: 19%)

E veja a evolução das taxas de rejeição desde a última pesquisa:

Aqui, os eleitores apontam em quem não votam de jeito nenhum e podem indicar mais de um nome; por isso, a soma das taxas pode superar 100%.

Jair Bolsonaro: de 46% para 45%

Fernando Haddad: de 32% para 41%

Marina Silva: de 28% para 30%

Geraldo Alckmin: segue em 24%

Ciro Gomes: de 21% para 22%

Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz

O forte temporal que atingiu várias cidades do Rio Grande do Sul na madrugada deste domingo deixou mais de 360.000 pontos sem energia elétrica. De acordo com a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), no auge da tempestade, mais de 300.000 usuários ficaram sem luz.

“No final da manhã, ambas as regiões seguiam com a maioria dos casos sem solução: em torno de 95.000 na Grande Porto Alegre e 30.000 em Pelotas e arredores. Conforme medição de institutos de Meteorologia, a velocidade dos ventos ultrapassou a marca dos 80 km/h no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre. Também houve registro de chuva forte, colaborando para a queda de galhos que danificam a rede elétrica”, informou a assessoria da empresa.

Os municípios da região Metropolitana de Porto Alegre foram os mais prejudicados. Também houve danos significativos no sul do estado, especialmente das cidades de Canguçu, Capão do Leão, Arroio Grande, Jaguarão e Pelotas. A CEEE atua na região Metropolitana, Sul, Litoral e Campanha gaúcha, atendendo a 72 municípios, aproximadamente a 34% do mercado consumidor do Rio Grande do Sul.

Além dos clientes atendidos pela CEEE, o temporal trouxe prejuízos para os usuários atendidos pelas distribuidoras RGE e RGE-SUL que também tiveram o fornecimento de energia interrompido. As duas empresas atendem 264 municípios, nas regiões norte e nordeste do Estado do Rio Grande do Sul, com aproximadamente 1,4 milhão de consumidores. No início da tarde, 14.000 clientes da RGE estavam sem energia, a maioria em Gravataí, Taquara, cidades no entorno de Caxias do Sul e Região dos Vinhedos. Na RGE Sul são 39.000 clientes sem energia elétrica, concentrados na região Metropolitana e Vales.

Datafolha aponta Bolsonaro com 26% e Haddad e Ciro empatados

Nova pesquisa do instituto Datafolha mostra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) com 26% das intenções de voto na disputa presidencial. Fernando Haddad (PT) atingiu 13% e está empatado com Ciro Gomes, que tem o mesmo percentual. Geraldo Alckmin (PSDB) obteve 9% dos votos e Marina Silva (Rede) é a candidata de 8% dos entrevistados.

Alvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB), João Amoêdo (Novo) marcam cada um 3% das intenções de voto. Também estão empatados Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (PSOL) e Vera Lúcia (PSTU), com 1%. João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram.

Treze por cento dos entrevistados declaram votar em branco ou nulo; e 6% não sabem ou não responderam.

O levantamento foi feito ontem (13) e nesta sexta (14) junto a 2.820 eleitores em 187 cidades. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi contratada pelo jornal Folha de São Paulo e pela Rede Globo.

Comparação

Na comparação com a pesquisa realizada na última segunda (10), Jair Bolsonaro oscilou dois pontos percentuais, Fernando Haddad cresceu quatro pontos percentuais e Ciro Gomes manteve-se estável. O ex-governador paulista Geraldo Alckmin perdeu um ponto percentual e a ex-senadora Marina Silva desceu três pontos.

Não oscilaram os percentuais de intenção de voto os candidatos Alvaro Dias, Henrique Meirelles, João Amoêdo, Cabo Daciolo, Guilherme Boulos, Vera Lúcia, João Goulart Filho e Eymael.

A proporção que declara votar nulo ou em branco reduziu em dois pontos percentuais e o número de indecisos e não respondentes oscilou em um ponto.

fonte: Agência Brasil

TSE suspende inserções do PT na TV que usam imagem de Lula

O ministro Sergio Banhos, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ordenou a suspensão de propagandas do PT na televisão, que, no entendimento do magistrado, confundem o eleitor ao não explicar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é o candidato do partido.

Ele atendeu a pedido de liminar feito pelo Partido Novo, e estipulou multa de R$ 500 mil em caso de descumprimento.

A propaganda questionada foi do tipo inserção, peça de 30 segundos veiculada durante a programação das emissoras de TV. Nela, Lula aparece durante os primeiros dez segundos exaltando seu governo. Em seguida, o vice da chapa, Fernando Haddad, surge e diz que quer “trazer o Brasil de Lula de volta”.

Banhos aceitou os argumentos do Novo de que a propaganda possui a “clara intenção” de “confundir o eleitor” ao fazê-lo crer que Lula continua na disputa ao Palácio do Planalto, afrontando decisão do TSE, que, na madrugada do último dia 1º, proibiu o ex-presidente de participar de qualquer ato de campanha na condição de candidato.

Argumentação

“Ao tempo em que a propaganda inicia-se com uma fala de Luiz Inácio Lula da Silva fazendo menção aos seus anos de governo, prossegue com a de Fernando Haddad não explicitando a sua condição de vice, nem sequer na legenda, mas, noutro passo, enaltecendo o governo Lula, prometendo trazer aos cidadãos o “Brasil de Lula de Volta”, sem esclarecer, como deveria, que Luiz Inácio Lula da Silva, por decisão do TSE, não pode ser candidato à Presidência da República”, escreveu o ministro.

Trata-se da terceira decisão do TSE suspendendo propagandas do PT que usam a imagem de Lula. As anteriores foram proferidas pelos ministros Luís Felipe Salomão, em relação ao horário eleitoral no rádio, e Carlos Horbach, que decidiu sobre o horário na TV. Ambos também estipularam multa de R$ 500 mil em caso de descumprimento.

As propagandas do PT que foram suspensas foram ao ar nos dias 1º e 2 de setembro. Em sua defesa, o partido alega ter recebido um tempo “exíguo” desde a rejeição da candidatura de Lula até o início da propaganda de rádio e TV para adequar suas peças, que já estavam produzidas.

Após nove presidentes, rodovia Cuiabá-Santarém segue sem asfalto

O governo de Michel Temer vai terminar sem a conclusão de uma das mais importantes obras de infraestrutura do País: o asfaltamento da BR-163, conhecida como Cuiabá-Santarém. Essa rodovia, que conecta o centro produtor de grãos aos portos da região Norte, ficou conhecida em todo o País em fevereiro de 2017, quando as chuvas provocaram atoleiros e filas de caminhões carregados de soja. A obra não será concluída até dezembro, segundo admitiu ao "Estado" o ministro dos Transportes, Valter Casimiro.

Com isso, Temer será o nono presidente da República a deixar o Planalto sem concluí-la. A lista não conta o ex-presidente Emílio Garrastazu Médici, que inaugurou a rodovia em 1973, e Tancredo Neves (1985), que não chegou a assumir o cargo. Desde então, a falta de dinheiro, os problemas com contratos e as condições climáticas ruins já superaram a óbvia necessidade de conclusão da obra nos governos de Ernesto Geisel (1974-1979), João Figueiredo (1979-1985), José Sarney (1985-1990), Fernando Collor (1990-1992), Itamar Franco (1992-1995), Fernando Henrique Cardoso (1995-2003), Lula (2003-2011) e Dilma Rousseff (2011-2016).

Segundo um cálculo feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2013, a conclusão do asfaltamento da BR-163 permitiria uma economia de R$ 1,4 bilhão por ano em custos de transporte. O estudo aponta que a rodovia inverteria a rota de escoamento das exportações de grão dos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR) para os da região Norte. "Tudo o que foi asfaltado até agora já está sofrendo deterioração", diz o secretário-executivo do Conselho de Infraestrutura da CNI, Wagner Cardoso.

Além do intenso tráfego de caminhões pesados, o trecho da rodovia mais importante para o escoamento do agronegócio está em uma região de muita chuva. Ele defende que o governo faça um contrato de longo prazo para a manutenção da via.

Depois de mais de 40 anos desde sua inauguração, a BR-163 ainda tem perto de 100 km de terra. "O trecho que deu problema no ano passado será entregue este ano", informou Casimiro. "O trecho que está com o Exército, não."

São perto de 60 km de estrada, na região de Moraes de Almeida (PA), cujas obras foram assumidas pela Força Nacional depois que a empreiteira contratada para o serviço saiu. Essa foi a solução mais ágil para o problema, explicou o ministro. A expectativa é que o asfaltamento desse trecho fique pronto em 2019.

Orçamento

"Não falo como ministro, mas como técnico do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes): ficarei muito orgulhoso quando vir a 163 e a 319 pavimentadas", disse Casimiro. A BR 319 liga Manaus a Porto Velho e ainda tem trechos de terra.

O governo encaminha ao Congresso, na próxima semana, a proposta de Orçamento para 2019. O valor prometido não é suficiente para fazer a manutenção de toda a malha rodoviária. O Dnit terá R$ 6,8 bilhões, mas precisaria de R$ 10 bilhões para manter a totalidade das rodovias federais em bom estado e fazer investimentos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Venezuela pede ao Brasil para proteger seus cidadãos após ataque

A Venezuela pediu ao governo brasileiro que proteja seus cidadãos, após um ataque que destruiu abrigos de imigrantes venezuelanos no sábado (18), na cidade de Pacaraima, em Roraima.

Por conta desse episódio, deflagrado pela suposta agressão a um comerciante brasileiro, a Chancelaria venezuelana se comunicou com o Ministério das Relações Exteriores (MRE), segundo nota divulgada pelo governo de Caracas.

No contato, o Ministério venezuelano solicitou às autoridades brasileiras as "garantias correspondentes aos nacionais venezuelanos e que tome as medidas de proteção e segurança de suas famílias e bens".

Cerca de 1,2 mil venezuelanos deixaram o Brasil após os ataques de brasileiros, segundo o Exército.

A Chancelaria também manifestou sua "preocupação com as informações que confirmam ataques a imigrantes venezuelanos, assim como desalojamentos em massa", atos que "violentam normas do Direito Internacional".

O tumulto começou pela manhã, depois que um comerciante foi ferido e seus familiares responsabilizaram os venezuelanos. No último ano, esses migrantes intensificaram sua presença na cidade diante da grave crise de seu país.

Em retaliação, dezenas de brasileiros atacaram os dois principais acampamentos improvisados dos imigrantes e queimaram seus pertences. Três brasileiros ficaram feridos.

O governo do presidente Nicolás Maduro disse ter ordenado que os funcionários de seu consulado em Boa Vista sigam para Pacaraima para analisar a situação e "velar pela integridade" dos venezuelanos nessa região.

Além disso, denunciou que esses episódios são estimulados por uma "perigosa matriz de opinião xenófoba, multiplicada por governos e pela imprensa a serviço do imperialismo".

fonte: G1

Assinar este feed RSS

29°C

Primavera do Leste

Parcialmente Nublado

Umidade: 70%

Ventos: 0 km/h

  • 24 Mar 2016 27°C 21°C
  • 25 Mar 2016 27°C 21°C
Banner 468 x 60 px