Banner Superior

Cabo da Grampolândia será transferido para Campo Grande

Agentes do Presídio Militar de Santo Antônio do Leverger (34 km ao Sul de Cuiabá) se recusaram a receber o cabo da PM Gerson Luiz Ferreira Correa Júnior, preso por envolvimento no esquema de escutas clandestinas operado pela Polícia Militar em Mato Grosso.

A alegação é de que a permanência do militar na unidade poderia resultar em “instabilidade na segurança da cadeia e possibilidade de risco para a integridade física e mental do detento”.   

As informações constam em uma decisão do desembargador Orlando Perri – que conduz as investigações sobre os grampos no âmbito do Tribunal de Justiça –, expedida na última terça-feira (25).

Conforme apurou a reportagem, o cabo ficará detido no Centro de Custódia da Capital, até que surja uma vaga na Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), unidade de segurança máxima.

“Argumento frágil”

De acordo com o desembargador Orlando Perri, uma das justificativas utilizadas pela direção do presídio de Leverger para recusar o recebimento do cabo Gerson é a de que ele teria trabalhado por mais de 12 anos no Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

Embora tenha considerado o argumento “frágil”, o desembargador considerou por bem não encaminhar o cabo para o presídio militar.

“O único [e, a meu ver, frágil] argumento utilizado pelo subscritor da missiva encaminhada consiste no fato de o CB PM Correa ter atuado, por aproximadamente 12 anos, no Gaeco, deixando de mencionar, contudo, o risco concreto à segurança do custodiado”, diz trecho da decisão.

“De todo modo, por mais que o diretor da CP Santo Antônio do Leverger – MT não tenha comprovado, de maneira satisfatória, o efetivo risco à integridade física do CB PM Correa, entendo que insistir em sua transferência àquele estabelecimento prisional, neste momento, ou seja, à revelia do diretor do Presídio, poderia, sim, ensejar sérios e concretos perigos à pessoa do preso provisório”, acrescentou o desembargador.

“Regalias”

Ainda na decisão, o desembargador reforçou que um dos motivos que o levaram a pedir a transferência do cabo foram a informações de que os presos por suposto envolvimento nos grampos teriam regalias nas unidades prisionais militares em que estão detidos.

“Diante da situação verificada [possíveis regalias obtidas durante sua prisão cautelar], entendo prudente, por ora, determinar a transferência do CB PM Gerson Luiz Ferreira Correa Júnior ao Centro de Custódia da Capital”, afirmou Orlando Perri.

 

“Determino, ainda, a expedição de ofício ao secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, José Carlos Barbosa, para que, no prazo de 48 horas, se manifeste quanto à possibilidade de recebimento do Cabo na Penitenciária Federal de Campo Grande [preferencialmente] ou no Presídio Militar Fidelcino Rodrigues, porquanto, em princípio, não haverá nenhum risco – naqueles estabelecimentos prisionais – À integridade física do CB PM Correa”, concluiu o desembargador.

Última modificação emQuinta, 27 Julho 2017 11:52

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

29°C

Primavera do Leste

Parcialmente Nublado

Umidade: 70%

Ventos: 0 km/h

  • 24 Mar 2016 27°C 21°C
  • 25 Mar 2016 27°C 21°C
Banner 468 x 60 px